Dos retratos aos Afro-retratos

Por Alexandre Araujo Bispo

Faz já algum tempo que a artista Renata Felinto tem interesse pelo rosto como forma característica da noção de retrato. Analisando seus trabalhos retrospectivamente é possível ver como a dimensão social do rosto é o que lhe interessa.

Entre 2001 e 2002 ela cria a Série “Re-Existindo” na qual problematiza o desejo de auto-representação fotográfica de homens e mulheres negras em um país que lhe negou o direito de ver-se a si próprio. Bastaria lembrar aqui a obra do fotógrafo Cristiano Júnior que no século 19 registrou negros associados às suas tarefas manuais. A artista faz isso produzindo um retrato coletivo dos membros de sua família. O nome do trabalho é sugestivo: Iguais tão diferentes, 2001. Nessa obra vemos apenas uma pessoa identificada por sua profissão ─ militar ─ então atividade comum a muitos negros no país.

Figura 1: Iguais tão diferentes, 2001. Decalque, lápis dermatográfico, grafite e incisões sobre cartão 19 x 24 cm.

Entre esse trabalho e os Afro-retratos Felinto presenteou moradores de rua com retratos emoldurados, como se lhes restituísse no espaço público do desprezo social e político a casa, opondo-se a rua, seria o afeto, o conforto afetivo, o diálogo.

Figura 2: Série Casa, 2004/2011, fotografia.

Figura 3: Série Casa, 2004/2011, fotografia. 

A partir de 2010 a artista inicia um trabalho mais complexo no qual ecos de sua reflexão anterior retornam, agora com enorme força expressiva. Ela atualiza por meio de uma espetacularização cromática a potência do rosto feminino de fenótipo afro, manipulando um imaginário social que tende a reduzir as culturas africanas e afro-brasileiras à alegria barroco-carnavalesca. Mas, para além da beleza plástica de suas atraentes figuras o que se investiga aqui são as possibilidades de muitas mulheres em uma só, na medida em que o trabalho é fruto da pesquisa de adornos estéticos femininos provenientes de culturas asiáticas, americanas, europeias e africanas. Renata afirma que certos dramas locais, são na realidade universalmente vividos por mulheres, nesse sentido seus “Afro Retratos” vão muito além do apelo estético, da superfície estampada e festiva. A artista retrata mulheres de diferentes culturas, com trajes étnicos, mas todas elas afro-representadas.

Figura 3: Sem título, da série Afro-retratos, 2011. Acrílica, guache, pastel seco, adesivos e apliques sobre papel Fabriano, 100 x 72 cm.

Alexandre Araujo Bispo
Critico, curador e pesquisador
Graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP). Mestrando do Programa de Pós Graduação do Departamento de Antropologia Social da FFLCHUSP.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s